Domestic violence, sorry! Street violence

domingo, maio 09, 2010

Hoje assisti a um episódio que me deixou de queixo caído. Histórias de homens que batem em mulheres são aos magotes. Basta abrir um jornal diário qualquer para se verem esse tipo de notícias. Os números falam por si e quando se pensa que estão a reduzir, qual que??? Há cada vez mais denúncias nesse sentido. Então, vinha eu tranquilamente de carro para casa, há menos de duas horas, e três ruas a baixo de onde moro, junto do semáforo o que é que eu vejo? Um homem com uma criança ao colo que de repente se vira para trás e desata a bater numa mulher, que seu suponho que fosse a mulher dele. Deu-lhe murros que a fizeram cair ao chão e pontapeou-a. A criança que estava ao colo nem consegui perceber se permaneceu no colo dele ou se a pôs no chão, não faço ideia. A mulher fartou-se de gritar e alguém foi lá ajuda-la? Como vinha de carro não podia parar, mas parei mais à frente noutro semáforo e olhei para trás. Conseguia ouvi-la gritar, eu e todas as pessoas que estavam ai nesse semáforo já que estavam a olhar para trás. Junto a esse semáforo onde eu estava, estavam também dois polícias de trânsito da psp. Ainda que sejam de trânsito, são autoridade. Não deveriam eles ter ido até lá para identificar o agressor? Fazer alguma coisa? Eu nem queria acreditar. O homem que tinha batido na mulher não sei o que já era feito dele, se já se tinha ido embora ou não. Vi pelos espelhos do carro a mulher transtornada junto ao semáforo com um homem que estava a segura-la, porque estava desequilibrada. Uma coisa amarela estava no chão, parecia a mala dela caída e esse homem estava tipo a ampara-la. Se uma cena destas acontece em plena luz do dia, em plena Lisboa, com dezenas de pessoas a ver, imagino o que não se passará dentro de portas. Nem quero pensar, a sério que não. Porque é triste que em pleno século XXI os homens ainda pensem que têm de se comportar como perfeitos animais para fazerem prevalecer a sua vontade perante uma mulher. É inaceitável.

You Might Also Like

3 comentários

  1. Por que não o atropelaste?
    O seguro pagava os tratamentos e, criminalmente, tinhas a desculpa de teres ficado perturbada e perdeste o controlo do carro.
    Eu acho que era capaz de o fazer.

    ResponderEliminar
  2. Era o q ele merecia! Mas acho que quem deveria ter intervido naquela situação eram os polícias que estavam logo ao fundo da rua. ** kiss

    ResponderEliminar
  3. Possa custa sabermos que há mulheres que estão sujeitas a este tratamento. bjs

    ResponderEliminar

Com tecnologia do Blogger.

Subscribe