Saturday night

domingo, agosto 02, 2009


A rotina da semana e o trabalho permamente precisa de ser compensado com umas saídas à noite ao fim-de-semana. Irritações, normalmente provocadas pelos outros, têm se ser postas para trás das costas, principalmente quando há tendências futebolísticas pelo meio, mas não com bolas. Falta de chá... Portanto, a Sunrise, que é uma menina bem relacionada e não vai estar a descer do salto prefere ignorar e passar à frente com uma saídinha.Ontem fui a uma das esplanadas alfacinhas que mais gosto. Bom som, vista para o rio e gente que sabe comportar-se. O "Café in" perto do Museu da Electricidade. Eramos 8 pessoas. Dali conhecia bem duas, outros dois só de vista, uma só de nome e os outros dois nem fazia a menor ideia. Na realidade, eram todos amigos e colegas de trabalho do meu respectivo. É estranho sairmos com os amigos dos outros, nunca se sabe muito bem o que falar, quais são os temas mais oportunos... há mesmo aquelas situações de private jokes que ficamos a olhar como burros para o palácio. Na verdade, sentimo-nos um pouco deslocados, que aquele não é o nosso espaço, que estamos até a ser um pouco "penetras". Contudo, como eramos todos da mesma área, lá consegui arranjar tema para me enturmar. O que havia de ser? Trabalho. Aventuras e desventuras. Acabei por encontrar vários pontos em comum. O motivo do encontro foi a despedida de uma rapariga que ia de viagem para o Canadá. A esta hora está em pleno voo. Não tinha uma ideia totalmente positiva acerca dela, mas surpreendeu-me. São as tais coisas dos juízos de valor que fazemos sem conhecermos as pessoas só pelo que os outros nos falam. Achei-a simpática, acessível, divertida e até, vejam bem, eu ainda estava disposta a sair para a discoteca na companhia dela, desafio lançado por mim. Só não fomos porque ela tinha de ir a Carnaxide buscar um presente para dar à mãe e já ficava demasiado tarde. O ponto alto da noite foi quando veio à baila a tareia de mamas que ela levou de uma striper, uma tal Romina, quando foi sair à noite com os homens da secção de trabalho. É o que dá... onde é que os homens costumam ir para ajavardar e ter conversas perversas, do género: "Já a aviava"; "tem cá umas mamas"; "Ela ia ver o que é doce"? Às casas de strip. Acho que até há um vídeo com esse momento histórico, que deve ser de chorar a rir. Foi uma noite simpática que deu sem sombra de dúvidas para relaxar e não pensar em responsabilidades idiotas.

You Might Also Like

4 comentários

  1. O café in também é uma das minhas esplanadas preferidas.
    A primeira vez que lá foste, foi comigo:P

    By http://oceanosemfundo.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  2. É bom quando somos surpreendidos pela positiva :)
    KissKiss*

    ResponderEliminar
  3. É a melhor forma de terminar uma semana, a descontrair! ;)

    ResponderEliminar

Com tecnologia do Blogger.

Subscribe